Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Napne

Publicado: Quarta, 14 de Março de 2018, 13h29 | Última atualização em Quarta, 31 de Julho de 2019, 14h21

Índice de Artigos

 

 

 

Os Napne's do Ifes foram constitutídos como diretriz da ação TEC NEP - Tecnologia, Educação, Cidadania e Profissionalização para pessoas com necessidades educacionais especiais, desenvolvido a partir do ano de 2002, pelo Ministério da Educação.

O Napne do Ifes - Campus Itapina foi criado pela Portaria nº 61 de 08 de maio de 2008 e alterada pela Portaria nº 72 de 24 de março de 2009, nomeando a Pedagoga Denilce Salvador, como coordenadora do Núcleo, atribuição em que permaneceu até o dia 02 de abril de 2018.

Nos primeiros anos, o Napne do campus Itapina era composto pelos seguintes servidores: Denilce Salvador, Adriano Martins Pereira, Cynthia Kruger Quinino, Danielle Piontkovsky Girelli, Fabio Adonias Monteiro, Marluci Iara Monteiro Simonassi, Nilton Nélio Cometti e Rosinei Ronconi Vieiras.

Com a implantação e o desenvolvimento dos Institutos Federais de Educação, no qual ocorreram significativas transformações administrativas e pedagógicas na estrutura de nosso Campus, o Napne foi se consolidando como referência na rede federal de ensino. A partir de abril de 2018 as atribuições de coordenação do Napne ficaram a cargo da professora Marta Cristina Teixeira Leite, tendo permanecido até 05 de setembro de 2018, quando a professora Josiane Beltrame Milanesi foi nomeada como coordenadora do Núcleo mantendo-se até a presente data.

De acordo com a Portaria nº 375 de 06 de setembro de 2018 atualmente o Napne é composto por dezesseis pessoas, entre as quais estão professores, pedagogos, técnicos em assuntos educacionais, intérpretes de LIBRAS, técnicos administrativos, assistentes de alunos, assistente social e psicólogo.

Desde sua criação, o Napne tem acompanhado alunos com diferentes tipos de necessidades como: deficiência intelectual;deficiência auditiva moderada e severa;espectro de autismo (Síndrome de Asperger);síndrome de Irlen e dislexia;deficiência física; deficiência visual;transtorno de déficit de atenção e hiperatividade.

Uma ação que merece destaque foi a oferta à comunidade escolar do primeiro curso de LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais), com a instrutora Zuleika Rache. Ao final do curso, os 20 participantes formaram um coral em LIBRAS que já realizou diversas apresentações inclusive fora do Estado.

Ao longo dos anos, inúmeras atividades foram desenvolvidas, dentre elas podemos citar: Curso Básico e Intermediário de LIBRAS, Criação e apresentações do coral de LIBRAS, Curso sobre deficiência visual, Participação dos membros do Napne em eventos e cursos diversos, Construção do Jardim Sensorial sob a supervisão do professor Marinaldo Francisco Zanotelli seguido de exposições, Garantia de um estagiário para o Napne, Oferta de palestras para professores e equipe pedagógica do campus, Parcerias com outras instituições, Exposições das tecnologias assistivas presentes no campus, Momentos/ações de conscientização com todos os alunos do campus, Estabelecimento de parcerias/colaborações com o corpo docente, Projeto de português como segunda língua para aluno surdo, dentre outras diversas ações.

Segue algumas atividades desenvolvidas em 2018

- Ensaios e apresentações do Coral de LIBRAS;

- Evento no dia da inclusão;

- Reuniões quinzenais com membros do Napne;

- CINE Napne;

- Reuniões com professores que atuam com alunos PAEE;

- Garantia de monitores para acompanhamentos de alunos;

- Participação de membros do Napne no III Encontro dos Napne's do Ifes

 

Atividades previstas para 2019

- Criação do banco de dados de sinais em LIBRAS utilizados pelo aluno surdo no curso de Agronomia;

- Continuidade das ações voltadas ao Jardim Sensorial;

- Continuidade do Coral de LIBRAS;

- Identificação dos alunos com altas habilidades/superdotação;

- Aprimoramento do CINE-Napne;

- Reuniões com os membros do Napne;

- Seleção e acompanhamento de monitores;

- Oferta de cursos (audiobook, LIBRAS tátil e cursos na área da deficiência visual);

- Atendimento/planejamento com docentes;

- Elaboração de Plano de Ensino Individual (PEI);

- Comemoração do Dia da Inclusão;

- Organização de um banco de materiais;

- Antecipação de conteúdos para introdução do aluno em disciplinas específicas e preparação de materiais;

- Prosseguimento do projeto de português como segunda língua para aluno surdo

- Reuniões de acompanhamento com pais ou responsáveis de alunos com necessidades especificas.

registrado em:
Fim do conteúdo da página