Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Institucional
Início do conteúdo da página

Institucional

Desde a criação da Escola de Aprendizes Artífices do Espírito Santo, em 1909, até a transformação em Instituto Federal do Espírito Santo, a instituição é referência em educação na sociedade capixaba.

Resultado da união das unidades do Centro Federal de Educação Tecnológica e das Escolas Agrotécnicas Federais, em 2008, o Ifes promove educação profissional pública de excelência, integrando ensino, pesquisa e extensão, para a construção de uma sociedade democrática, justa e sustentável.

O Instituto Federal do Espírito Santo oferece desde cursos técnicos a mestrados e possui aproximadamente 17 mil alunos. São cerca de 100 cursos técnicos, mais de 40 cursos de graduação, 12 especializações e 9 mestrados.

Com 21 campi em funcionamento, o Ifes se faz presente em todas as microrregiões capixabas. O Instituto possui ainda 36 polos de educação a distância no Espírito Santo.


História

A história do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) inicia-se com a história de seu campus mais antigo, o Campus Vitória. Mais exatamente em 23 de setembro de 1909, durante o Governo de Nilo Peçanha, quando esse campus foi oficializado tendo recebido a denominação de Escola de Aprendizes Artífices do Espírito Santo. A Escola foi regulamentada pelo Decreto 9.070 de 25 de outubro de 1910, com o propósito de formar profissionais artesãos, voltados para o trabalho manual – um fator de efetivo valor social e econômico – com ensino para a vida.

A partir de 1937, a Instituição - então denominada Liceu Industrial de Vitória – passou a formar profissionais voltados para a produção em série, porém com características artesanais.

Em 1940 inicia-se a história do, hoje, Campus Santa Teresa, tendo sido criado pelo Decreto-Lei nº 12.147, de 06 de setembro daquele ano, do Interventor Federal no Estado do Espírito Santo, João Punaro Bley. A escola foi inaugurada em 06 de setembro de 1941 sob a denominação de Escola Prática de Agricultura (EPA), com a finalidade de ministrar dois cursos práticos e intensivos, de um ano de duração, a trabalhadores rurais: Administrador de Fazenda e Prático Rural.

No ano seguinte, em 25 de fevereiro, o Liceu Industrial de Vitória foi transformado em Escola Técnica de Vitória e, em 11 de dezembro, foi inaugurado o prédio onde funciona até hoje, sendo que à época contava com internato e externato, oficinas e salas de aula para atender aos cursos de artes de couro, alfaiataria, marcenaria, serralheria, mecânica de máquinas, tipografia e encadernação.

Ainda na década de 1940 foi institucionalizado no Brasil o Programa de Ensino Agrícola de Grau Elementar e Médio, por meio do Decreto-Lei nº 9.613, de 20 de agosto de 1946, conhecido como Lei Orgânica do Ensino Agrícola. De forma complementar, o Decreto Federal nº 22.470 de 20 de janeiro de 1947 inovou ao criar as escolas agrícolas, que deveriam funcionar em regime de internato e onde seriam ministradas as quatro séries do 1º ciclo (Ginásio Agrícola) e as três séries do 2º ciclo, atribuindo-se aos concluintes o diploma de Técnico em Agricultura.

Desse modo, em 10 de março de 1948, por força do convênio firmado entre a União e o Estado, a EPA de Santa Teresa passou para a supervisão da Superintendência do Ensino Agrícola e Veterinário (SEAV) do Ministério da Agricultura, para ministrar os cursos previstos na Lei Orgânica do Ensino Agrícola, sob a denominação de Escola Agrotécnica do Espírito Santo, nome que perdurou até 1956.

Um outro convênio entre a União e o Estado, datado de 15 de novembro de 1949, na então gestão do Governador Carlos Fernando Monteiro Lindenberg, lançou o projeto de construção de uma escola de iniciação agrícola na margem esquerda do Rio Doce, no Município de Colatina, onde seria ofertado o Curso de Iniciação Agrícola com duração de dois anos e o concluinte receberia o diploma de Operário Agrícola. Em 1952 foi nomeado como primeiro diretor para a escola o Engenheiro Agrônomo e professor da Escola Agrotécnica do Espírito Santo, José Farah, que tomou posse e deu início à construção das primeiras obras do que viria ser o atual Campus Itapina.

Em 07 de maio de 1953, tembém sob a forma de convênio entre o Governo da União e o Estado do Espírito Santo, começaria a ser criada uma terceira escola agrícola no Estado, dessa vez no Município de Alegre. Foi escolhida, para esse fim, a Fazenda da Caixa D'água, com área de 323,51 hectares situada no Distrito de Rive. Em 29 de junho deste ano, por meio da Portaria nº 825 da SEAV, foi nomeado como primeiro diretor da escola o Engenheiro Agrônomo Ivan de Andrade, que iniciou a construção das instalações do que é hoje o Campus de Alegre.

Em 28 de abril de 1956, na gestão do Governador Francisco Lacerda de Aguiar e do Presidente da República Juscelino Kubitschek de Oliveira, o Campus Itapina foi oficializado sob a denominação de Escola de Iniciação Agrícola de Colatina. O primeiro processo seletivo havia ocorrido dois meses antes, em 20 de fevereiro de 1956, e as aulas iniciaram em 03 de março deste mesmo ano com duas turmas: a primeira com o antigo curso primário (4ª série, preparatório para o curso de iniciação agrícola) e a segunda com o curso de iniciação agrícola (1º ano ginasial, antiga 5ª série). Neste mesmo ano, face à renovação do convênio referente à escola de Santa Teresa, a Escola Agrotécnica do Espírito Santo passou a se chamar Escola Agrotécnica de Santa Teresa.

Em decorrência da Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), as Escolas Agrícolas passaram a ser denominadas de Colégios Agrícolas, ministrando as três séries do 2º ciclo (colegial) e conferindo aos concluintes o diploma de Técnico Agrícola. A escola de Alegre, que funcionou como Centro de Treinamento Rural nos dois primeiros anos do Governo Estadual de Carlos Lindenberg, iniciou suas atividades escolares em 02 de março de 1962 com o Curso Ginasial Agrícola. A partir de 1965 passou a ser ministrado o Curso Colegial Agrícola, cuja denominação, de 1976 em diante, passou a ser Curso Técnico em Agropecuária. 

Em 13 de fevereiro de 1964, por meio do Decreto nº 53.558, as escolas de Santa Teresa, Alegre e Colatina passaram a se chamar, respectivamente, Colégio Agrícola de Santa Teresa, Colégio Agrícola de Alegre e Ginásio Agrícola de Colatina. E em 3 de setembro de 1965, o Liceu Industrial de Vitória passou a ser denominado Escola Técnica Federal do Estado do Espírito Santo, Etfes, baseada em um modelo empresarial. 

Na década de 1970 os acordos firmados entre a União e o Estado com relação às escolas agrícolas prescrevem e houve divergência sobre a quem caberia a manutenção do modelo. O período foi especialmente conturbado para o Ginásio Agrícola de Colatina, pois a Lei de Diretrizes e Bases para o Ensino de 1º e 2º Graus, Lei nº 5.692/1971, praticamente extinguiu os cursos profissionalizantes seriados em nível de 1º grau e a escola, aparentemente, estava com seus dias contados. Entretanto, a Coordenação Nacional do Ensino Agrícola (Coagri), órgão vinculado à Secretaria de 1º e 2º Graus do Ministério da Educação e Cultura (MEC), resolveu o impasse, transformando o Ginásio Agrícola de Colatina em Colégio Agrícola de Colatina, para que fosse oferecido o ensino de 2º grau com o Curso Técnico em Agropecuária. 

Em 1974 o Estado doou à União a área onde está situado o atual Campus de Alegre e, no ano seguinte, também doou a área onde está situado o atual Campus Itapina.

O Decreto nº 83.935, de 04 de setembro de 1979, estabeleceu a nomenclatura dos três campi agrícolas que perdurou até a criação do Ifes, em 2008: Escola Agrotécnica Federal de Alegre, Escola Agrotécnica Federal de Colatina e Escola Agrotécnica Federal de Santa Teresa. Essas três instituições foram elevadas à Autarquia instituídas pela Lei nº 8.731, de 16 de novembro de 1993, vinculadas ao Ministério da Educação e do Desporto, nos termos do Decreto nº 2.147, de 14 de fevereiro de 1997, por meio da Secretaria de Educação Média e Tecnológica (Semtec).

Em 13 de março de 1993, foi inaugurada a primeira Unidade de Ensino Descentralizada da Etfes, localizada em Colatina, norte do estado: o atual Campus Colatina.

A Escola Técnica passou a ser um Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo (Cefetes), a partir de março de 1999, o que possibilitou novas formas de atuação e um novo paradigma de instituição pública profissionalizante.

Em 12 de março de 2001, foram iniciadas as atividades letivas na Unidade de Ensino Descentralizada de Serra, oferecendo Cursos Técnicos em Automação Industrial e em Informática. 

Em 2004, o Cefetes passou a ser uma Instituição de Ensino Superior, com os Decretos nº 5.224 e nº 5.225.

Em 2005, a Unidade de Ensino Descentralizada de Cachoeiro de Itapemirim entrou em funcionamento, oferecendo o Curso Técnico em Eletromecânica e o Curso Técnico em Rochas Ornamentais, inédito no Brasil. Em 2006, duas novas Unidades iniciaram suas atividades: a Unidade de Ensino Descentralizada de São Mateus, oferecendo o Curso Técnico em Mecânica, e a Unidade de Ensino Descentralizada de Cariacica, oferecendo o Curso Técnico em Ferrovias, inédito no Brasil e fruto de uma parceria do Cefetes com a Companhia Vale do Rio Doce. Ainda em 2006 o Cefetes cria o Cead: Centro de Educação à Distância.

Em 2008 foram inauguradas mais três Unidades de Ensino: Aracruz, Linhares e Nova Venécia.

Em dezembro do mesmo ano, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, sancionou a Lei nº 11.892, que criou 38 Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia no país. No Espírito Santo, o Cefetes e as Escolas Agrotécnicas Federais de Alegre, de Colatina e de Santa Teresa se integraram em uma estrutura única: o Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes. Dessa forma, as nove unidades de ensino do Cefetes (Vitória, Colatina, Serra, Cachoeiro de Itapemirim, São Mateus, Cariacica, Aracruz, Linhares e Nova Venécia) e as Escolas Agrotécnicas Federais de Alegre, Santa Teresa e Colatina passaram a ser os doze primeiros campi do Ifes. 

Já no primeiro ano de funcionamento do Ifes, em 2009, o Campus Guarapari inicia suas atividades.

Com o intuito de estender a rede pública de educação técnica e tecnológica profissionalizante para o Sul do Estado do Espírito Santo, foram criados o Campus Piúma e o Campus Ibatiba, inaugurados em 2010. Neste mesmo ano também foi inaugurado o Campus Venda Nova do Imigrante, concretizando um planejamento que datava do início das atividades do Cefetes, em 1999, de levar à região de montanhas capixabas uma unidade de ensino. Ao final do ano, em 29 de novembro, foi inaugurado o Campus Vila Velha.

Na terceira fase de expansão da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica, anunciada em agosto de 2011 pelo Ministério da Educação, começam a ser idealizados novos campi para o Ifes. Em 23 de maio de 2013 iniciam-se as atividades do Campus Montanha, com o Curso de Formação Inicial e Continuada de Operador de Computador. Em 04 de agosto de 2014 é a vez do Campus Barra de São Francisco, ainda de forma provisória na Escola Municipal de Ensino Fundamental João Bastos. A parceria com o município teve embasamento legal com a publicação da Lei Municipal nº 534, de 10 de março de 2014. Também em 2014, o Cead é transformado em Centro de Referência em Formação e em Educação à Distância (Cefor).

O ano de 2014 marcou, ainda, o início do projeto de criação de uma unidade avançada do Campus Cariacica, no município de Viana. O Campus Viana iniciou suas atividades nas próprias dependências do Campus Cariacica com cursos de extensão. Sua unidade atual entrou em funcionamento no segundo semestre de 2015.

Também nesse ano de 2015, em 16 de março, entrou em funcionamento o Campus Centro-Serrano. Localizado no Distrito de Caramuru, em Santa Maria de Jetibá, e estrategicamente posicionado próximo à tríplice fronteira entre este município e os municípios de Domingos Martins e Santa Leopoldina, a unidade contempla o Consórcio Intermunicipal Ifes Centro-Serrano.

A fim de atender à demanda de inovação industrial tecnológica por meio da pesquisa aplicada no Estado do Espírito Santo, em 2013 foi desprendida uma iniciativa para a criação de um polo de inovação no Instituto Federal do Espírito Santo. A articulação entre pesquisadores e empresas fundamentou uma proposta encaminhada à Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), resultando na implantação do Polo Embrapii Ifes (PEIfes), com atuação na área de metalurgia e materiais. Esta unidade do Ifes faz parte do Polo de Inovação de Vitória, conforme a Portaria MEC nº 819/2015.

Ano de início das atividades das unidades do Ifes:

1909 - Campus Vitória
1940 - Campus Santa Teresa
1956 - Campus Itapina
1962 - Campus de Alegre
1993 - Campus Colatina
2001 - Campus Serra
2005 - Campus Cachoeiro de Itapemirim
2006 - Campus Cariacica e Campus São Mateus
2008 - Campus Aracruz, Campus Linhares e Campus Nova Venécia
2009 - Campus Guarapari
2010 - Campus Ibatiba, Campus Piúma, Campus Venda Nova do Imigrante e Campus Vila Velha
2013 - Campus Montanha
2014 - Campus Barra de São Francisco e Cefor
2015 - Campus Centro-Serrano, Campus Viana e Polo Embrapii Ifes


Organograma do Instituto Federal do Espírito Santo em forma de lista

1. Conselho Superior
1.1 Conselho de Ensino, Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão
1.1.1 Câmaras
1.1.2 Fóruns
1.2 Comissão Própria de Avaliação

2. Reitoria
2.1 Gabinete
2.1.1 Chefe de Gabinete
2.1.2 Diretoria Executiva
2.1.3 Secretaria
2.2 Assessorias
2.2.1 Assessoria de Comunicação Social
2.2.1.1 Fórum de Comunicação Social
2.2.2 Assessoria Processual
2.2.3 Assessoria Técnica
2.3 Pró-reitorias
2.3.1 Pró-reitoria de Ensino
2.3.1.1 Diretoria de Ensino Técnico
2.3.1.2 Diretoria de Graduação
2.3.1.3 Diretoria de Educação à Distância
2.3.2 Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação
2.3.2.1 Diretoria de Pesquisa
2.3.2.1.1 Comitê de Ética em Pesquisa
2.3.2.1.2 Comitê de Ética no uso de Animais
2.3.2.2 Diretoria de Pós-graduação
2.3.3 Pró-reitoria de Extensão
2.3.3.1 Diretoria de Relações Empresariais e Extensão Comunitária
2.3.3.2 Diretoria de Extensão Tecnológica
2.3.3.2.1 Agência de Inovação do Ifes
2.3.4 Pró-reitoria de Administração e Orçamento
2.3.4.1 Diretoria de Administração e Orçamento
2.3.5 Pró-reitoria de Desenvolvimento Institucional
2.3.5.1 Diretoria de Planejamento
2.3.5.2 Diretoria de Gestão de Pessoas
2.3.5.2.1 Comissão Interna de Supervisão
2.3.5.3 Diretoria de Tecnologia da Informação
2.3.5.3.1 Comitê de Tecnologia da Informação
2.4 Auditoria Interna
2.5 Procuradoria Jurídica
2.6 Órgãos Assessores
2.6.1 Conselho Comunitário
2.6.2 Ouvidoria
2.6.3 Comissão de Ética
2.6.4 Fóruns
2.7 Colégio de Dirigentes
2.7.1 Câmaras
2.7.2 Fóruns

3. Campi
3.1 Conselho de Gestão do Campus

Competências (Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI)


Mapa Estratégico 

O mapa estratégico a seguir é resultante do Planejamento Estratégico para o período de 2014 a 2018 e guia as atividades da Instituição.

mapa estrategico ifes


Base Jurídica da Estrutura Organizacional e das Competências do Ifes

Os principais documentos que regem as ações do Instituto Federal do Espírito Santo estão disponíveis na seção Documentos Institucionais.


Telefones e Endereços

Os endereços e telefones dos dirigentes de cada campus e da reitoria estão listados abaixo. Para verificar telefone de outros setores, acesse a área de Contato

Reitor
Denio Rebello Arantes
27 3357-7500
Avenida Rio Branco, nº 50 – Santa Lúcia
29056-264 – Vitória – ES

 

Pró-Reitoria de Administração e Orçamento
Pró-Reitor de Administração e Orçamento

Lezi José Ferreira
27 3331-2208
Avenida Vitória, 1729 – Jucutuquara
29040-780 – Vitória – ES

Diretor de Administração e Orçamento
Antonio Tadeu Vago
27 3331-2230
Avenida Vitória, 1729 – Jucutuquara
29040-780 – Vitória – ES

 

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional
Pró-Reitor de Desenvolvimento Institucional

Ademar Manoel Stange
27 3357-7500 Ramal 2007
Avenida Rio Branco, nº 50 – Santa Lúcia
29056-264 – Vitória – ES

Diretora de Gestão de Pessoas
Líssia Pignaton de Oliveira
27 3357-7500 Ramal 1010
Avenida Rio Branco, nº 50 – Santa Lúcia
29056-264 – Vitória – ES

Diretor de Planejamento
Elton Siqueira Moura
27 3357-7500 Ramal 2009
Avenida Rio Branco, nº 50 – Santa Lúcia
29056-264 – Vitória – ES

Diretor de Tecnologia da Informação
Joubert Alexandrino de Souza
27 3331-2259
Avenida Vitória, 1729 – Jucutuquara
29040-780 – Vitória – ES

 

Pró-Reitoria de Ensino
Pró-Reitora de Ensino

Araceli Verónica Flores Nardy Ribeiro
27 3357-7500 Ramal 3004
Avenida Rio Branco, nº 50 – Santa Lúcia
29056-264 – Vitória – ES

Diretora de Educação a Distância
Vanessa Battestin Nunes
27 3348-9204
Rodovia ES-010, Km 6.5, Manguinhos
29173-087 – Serra – ES

Diretor de Ensino Técnico
José Aguilar Pilon
27 3357-7500 Ramal 3002
Avenida Rio Branco, nº 50, Santa Lúcia
29056-264 – Vitória – ES

Diretor de Graduação
Randall Guedes Teixeira
27 3357-7500 Ramal 3002
Avenida Rio Branco, nº 50, Santa Lúcia
29056-264 – Vitória – ES

 

Pró-Reitoria de Extensão
Pró-Reitor de Extensão

Renato Tannure Rotta de Almeida
27 3357-7500 Ramal 3020
Avenida Rio Branco, nº 50 – Santa Lúcia
29056-264 – Vitória – ES

Diretor de Extensão Tecnológica
Christian Mariani Lucas dos Santos
27 3357-7500 Ramal 3022
Avenida Rio Branco, nº 50 – Santa Lúcia
29056-264 – Vitória – ES

Diretor de Relações Empresariais e Extensão Comunitária
Clayton Peronico de Almeida
27 3357-7500 Ramal 3021
Avenida Rio Branco, nº 50 – Santa Lúcia
29056-264 – Vitória – ES

 

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação

Márcio Almeida Có
27 3357-7500 Ramal 3010
Avenida Rio Branco, nº 50 – Santa Lúcia
29056-264 – Vitória – ES

Diretor de Pesquisa
André Assis Pires
27 3357-7500 Ramal 3008
Avenida Rio Branco, nº 50 – Santa Lúcia
29056-264 – Vitória – ES

Diretor de Pós-Graduação
Rony Claudio de Oliveira Freitas
27 3357-7500 Ramal 3008
Avenida Rio Branco, nº 50 – Santa Lúcia
29056-264 – Vitória – ES

 

Diretora-Geral do Campus de Alegre
Maria Valdete Santos Tannure
28 3552-8131 | 28 3552-8234
Rodovia ES-482 (Cachoeiro-Alegre), Km 47
Distrito de Rive – Caixa Postal 47
29500-000 – Alegre – ES

Diretor-Geral do Campus Aracruz
Hermes Vazzoler Junior
27 3256-0958
Avenida Morobá, 248 – Morobá
29192-733 – Aracruz – ES

Diretor-Geral do Campus Barra de São Francisco
Jean Rubyo de Oliveira Lopes
27 3756-5536
Av. Dona Minelvina Garcia de Lima, 218 – Vila Gonçalves
29800-000 – Barra de São Francisco – ES

Diretor-Geral do Campus Cachoeiro de Itapemirim
Carlos Cezar de Oliveira Bettero
28 3526-9001
Rodovia ES-482 (Cachoeiro-Alegre)
Fazenda Morro Grande – Caixa Postal 727
29311-970 – Cachoeiro de Itapemirim – ES

Diretor-Geral do Campus Cariacica
Lodovico Ortlieb Faria
27 3246-1600
Rodovia Governador José Sette, 184, Itacibá
29150-410 – Cariacica – ES

Diretora-Geral do Campus Centro-Serrano
Adriana Pionttkovsky Barcellos 
Estrada Guilherme João Frederico Kruger, S/Nº, Caramuru
29645-000 – Santa Maria de Jetibá – ES
27 2234-3000

Diretor-Geral do Campus Colatina
Luiz Braz Galon
27 3723-1500 | 27 3723-1515
Avenida Arino Gomes Leal, 1700
Santa Margarida
29700-558 – Colatina – ES

Diretor-Geral do Campus Guarapari
Ronaldo Neves Cruz
27 3361-9900
Estrada da Tartaruga, S/Nº – Muquiçaba
29215-090 – Guarapari – ES

Diretor-Geral do Campus Ibatiba
Flávio Eymard da Rocha Pena
28 3543-0506
Avenida 7 de Novembro, S/Nº – Centro
29395-000 – Ibatiba – ES

Diretor-Geral do Campus Itapina
Anderson Mathias Holtz
27 3723-1200
Rodovia BR-259, Km 70 – Zona Rural
Caixa Postal 256
29709-910 – Colatina – ES

Diretor-Geral do Campus Linhares
Antônio de Freitas
27 3264-5701
Avenida Filogônio Peixoto, S/Nº – Aviso
29901-291 – Linhares – ES

Diretor-Geral do Campus Montanha
André dos Santos Sampaio
27 3754-5701
Rodovia ES-130 (Montanha-Vinhático), Km 1 – Palhinha
29890-000 – Montanha – ES

Diretor-Geral do Campus Nova Venécia
Welliton de Resende Zani Carvalho
27 3752-4300
Rodovia Miguel Curry Carneiro, 799 – Santa Luzia
29830-000 – Nova Venécia – ES

Diretora-Geral do Campus Piúma
Cláudia da Silva Ferreira
28 3520-0601
Rua Augusto Costa de Oliveira, 660 - Praia Doce
29285-000 – Piúma – ES

Diretor-Geral do Campus Santa Teresa
Moacyr Antonio Serafini
27 3259-7833
Rodovia ES-080, Km 93
São João de Petrópolis
29660-000 – Santa Teresa – ES

Diretor-Geral do Campus São Mateus
Mario Cezar dos Santos Junior
27 3767-7000
Rodovia BR-101 Norte, Km 58 – Litorâneo
29932-540 – São Mateus – ES

Diretor-Geral do Campus Serra
José Geraldo Orlandi
27 3348-9205
Rodovia ES-010, Km 6,5 – Manguinhos
29173-087 – Serra – ES

Diretor-Geral do Campus Venda Nova do Imigrante
Aloísio Carnielli
28 3546-8603
Rua Elizabeth Minete Perim, S/Nº – São Rafael
29375-000 – Venda Nova do Imigrante – ES

Diretora-Geral do Campus Viana
Edna dos Reis
27 3344-8773
Rodovia BR-262, Km 12 – Universal
29135-000 – Viana – ES

Diretora-Geral do Campus Vila Velha
Denise Rocco de Sena
27 3149-0702
Avenida Ministro Salgado Filho, 1000 – Soteco
29106-010 – Vila Velha – ES

Diretor-Geral do Campus Vitória
Ricardo Paiva
27 3331-2112
Avenida Vitória, 1729 – Jucutuquara
29040-780 – Vitória – ES


Horários de Atendimento 
Reitoria – das 8h às 17h
Campus de Alegre – das 7h às 19h
Campus Aracruz – das 8h às 21h
Campus Cachoeiro de Itapemirim – das 7h às 21h
Campus Cariacica – das 8h às 19h
Campus Colatina – das 7h às 22h35min
Campus Guarapari – das 8h às 12h e das 13h às 17h
Campus Ibatiba – das 8h às 12h e das 13h às 17h | CRA: das 8h às 17h e das 18h às 22h
Campus Itapina – das 7h às 16h
Campus Linhares – das 8h às 17h
Campus Nova Venécia – Funcionamento: das 7h às 22h30min | Setores Administrativos: das 8h às 17h
Campus Piúma – das 8h às 17h
Campus Santa Teresa – das 7h às 11h e das 12h30min às 16h30min | Por telefone: das 7h às 19h
Campus São Mateus – Funcionamento: das 7h50min às 22h30min | Setores Administrativos: das 8h às 18h
Campus Serra – das 8h às 17h 
Campus Venda Nova do Imigrante – das 7h30min às 20h30min
Campus Vila Velha – Funcionamento: das 8h às 22h30min | Setores Administrativos: das 9h às 18h
Campus Vitória – Funcionamento: das 7h às 22:30h | Setores Administrativos: das 8h às 18h 

registrado em:
Fim do conteúdo da página